Colha o cravo vermelho. Ponha o cravo ao peito.

Sim, tenho a certeza que os polícias responsáveis por estes abusos, o fizeram por se tratar de 5 militantes de um partido de Esquerda. Não foi por serem imbecis com poder a mais. Foi tudo parte de um conluio contra a resistência ao grande capital.

12 comentários:

Nuno Ramos de Almeida disse...

Certamente, costumam espancar jovens negros de bairros periféricos, não pq eles são negros e pobres, mas para mostrar autoridade.
Costuma agredir piquetes de greve, não porque eles são operários, fariam certamente o mesmo aos patrões, mas para mostrar autoridade.
As tuas certezas são burrice ou preconceito ideológico?

Diogo Augusto disse...

Quer num caso (etnia), quer noutro (classe), a pertença a um determinado grupo (num dos casos o dos jovens negros e no outro, operários) reflecte-se num estatuto de poder inferior, o que não acontece com a filiação partidária.
As tuas comparações são burrice ou má fé?

Anônimo disse...

Mas este diogo é assim tão estúpido e burro?
És um pseudo-boa-venturinha-santos...farto destes wannabes

Diogo Augusto disse...

Disseste "wannabes"?

Anônimo disse...

Diogo, a disparar assim, e a polemizar assado, nem sequer se percebe o teu ponto de vista. A ideologia não é matéria de repressão, é isso?

Renato Teixeira.

Diogo Augusto disse...

Renato, como calculas, não tive intenção de, no meu post, debruçar-me muito sobre o assunto. Apenas quis dizer que duvido muito que a militância dos jovens tenha sido factor causador da violência policial. O que quis dizer é que estas bestas destes polícias estão-se a marimbar para a filiação política das pessoas e, portanto, não faz sentido neste contexto caracterizá-las como comunistas.

É claro que dito assim tem muito menos piada do que como disse no post original... Mas faço tudo para evitar cisões desnecessárias à Esquerda!

Nuno Ramos de Almeida disse...

No teu caso é mesmo burrice.É tonto não perceber que o estatuto de classe, a alegada pertença a uma raça e o posicionamento político tornam as pessoas mais facilmente reprimíveis sem nenhuma reacção significativa da sociedade. Dado que essas pessoas têm pouco poder político, económico e mediático. Dificilmente, a esquadra da PSP ia agredir os meninos da candidatura do Sócrates.
É aliás significativo que acontecendo isto, a tua única reacção seja cascar no blogue que denunciou a situação. É muita burrice , para não dizer pior.

Andrea Peniche disse...

Mau, mau...
Não estou nada de acordo com o conteúdo do post do Diogo e até estou muito de acordo com alguns dos comentários. Mas, vamos lá ver se a gente se entende, chamar nomes ao Diogo é exclusivo dos e das minoritárias. Por isso, é favor elevarem o nível.

Diogo Augusto disse...

Lamento mas não vejo como é que a filiação política possa ser chamada aí ao barulho. É absurdo pô-la ao mesmo nível que "o estatuto de classe" e "a alegada pertença a uma raça". Se fossem meninos da candidatura do Sócrates provavelmente não estariam a pintar murais, ou vestiriam roupa diferente ou falariam de forma diferente... Nada disto tem a ver com a filiação política.

Correndo o risco de mandar a discussão para a estratosfera, arrisco-me a dizer que seria uma situação semelhante se um sknihead fosse preso por matar uma pessoa negra. Ele teria cometido o acto por ser skinhead mas seria preso pelo acto independentemente das suas motivações tal como seria qualquer outra pessoa, skinhead ou não. Bem sei que do homicídio à pintura do mural vai um passo de gigante mas serve para ilustrar que o facto de os 5 jovens terem pintado o mural por serem comunistas não faz com que tenham sido presos por serem comunistas.

Quanto ao que escolho escrever nos meus posts, reservo-me o direito de comentar aquilo que me apetecer, se não fizer muita comichão. O que retirares disso como significativo diz apenas respeito a ti e aos teus dotes psicanalíticos.

Anônimo disse...

Ah, tá certo. Comparação por comparação, os tipos do colarinho branco escapam por não cometerem crimes e por não terem, na opinião de alguns, mau aspecto.

De resto, quando dizes que "se fossem meninos da candidatura do Sócrates provavelmente não estariam a pintar murais", não tem relação com a "filiação política", deixas claro o teu ponto de vista. A ideologia, não é critério no destino da repressão.
Passam vistos na terra em que vives?

Renato T.

Diogo Augusto disse...

Renato, a tua capacidade de interpretação é espantosa.

Rafael Fortes disse...

Diogo, venho cá poucas vezes, mas quando venho apercebo-me que os teus posts contrastam bastante com os do resto dos teus companheiros...

Postar um comentário